Boletim Tributário e Contábil 26.08.2019

Data desta edição: 26.08.2019

GUIA TRIBUTÁRIO ONLINE
PIS e COFINS – Sociedades Cooperativas
Economia Tributária: Desmembramento de Atividades
IRPJ/CSLL – Benfeitorias em Imóveis de Terceiros
GUIA CONTÁBIL ONLINE
Aquisição de Bens do Imobilizado sem Financiamento
Diferencial de ICMS na Aquisição do Imobilizado
DVA – Demonstração do Valor Adicionado
ORIENTAÇÕES
DIMOB – Como Informar Quando Há 2 Imobiliárias Corresponsáveis
Reserva de Lucros a Realizar na Lei das S/A
ENFOQUES
Simples Nacional – Revenda de Bebidas – Exclusão da Receita Tributável – PIS e COFINS
É Possível Retificar a Guia da Previdência Social no e-CAC
Não recebeu o boletim anterior? Reveja o Boletim Tributário e Contábil de 19.08.2019.
ALERTAS
NF-e e NFC-e: Código de Benefício Fiscal – Prazo de Inclusão no Paraná
Métodos de Custeio
ARTIGOS E TEMAS
Reservas para Contingências
Custos de Encargos Mensais Sobre a Folha de Pagamento
PUBLICAÇÕES PROFISSIONAIS ATUALIZÁVEIS
Manual do IRPF
IRPJ Lucro Presumido
ICMS – Teoria e Prática
Central de Atendimento ao Cliente

 

Métodos de Custeio

Apesar da existência de diversos métodos de custeio, para efeitos contábeis e fiscais, somente o custeio por absorção é admissível.

O método fiscal de arbitramento dos estoques não é um método de custeio, como pensam alguns, mas sim a forma que o fisco exige que sejam registrados os estoques quando a contabilidade não atende aos critérios de custeio por absorção.

O custo padrão pode ser adotado na contabilidade, desde que as variações ocorridas sejam ajustadas em períodos mínimos trimestrais.

CUSTEIO POR ABSORÇÃO

Custeio por Absorção (também chamado “custeio integral”) é o método derivado da aplicação dos Princípios Fundamentais de Contabilidade. Consiste na apropriação de todos os custos (diretos e indiretos, fixos e variáveis) causados pelo uso de recursos da produção aos bens elaborados, e só os de produção, isto dentro do ciclo operacional interno. Todos os gastos relativos ao esforço de fabricação são distribuídos para todos os produtos feitos.

CUSTEIO VARIÁVEL

O Método de Custeio Direto, ou Variável, atribui para cada custo um classificação específica, na forma de custo fixos ou custos variável.

O custo final do produto (ou serviço) será a soma do custo variável, dividido pela produção correspondente, sendo os custos fixos considerados diretamente no resultado do exercício. Gerencialmente, é um método muito utilizado, mas, por sua restrição fiscal e legal, sua utilização implica na exigência de 2 sistemas de custos:

  1. O sistema de custo contábil (absorção ou integral) e
  2. Uma sistemática de apuração paralela, segregando-se custos fixos e variáveis.

CUSTEIO PADRÃO

O custo-padrão é um custo pré-atribuído, tomado como base para o registro da produção antes da determinação do custo efetivo. Em sua concepção gerencial, o custo-padrão indica um “custo ideal” que deverá ser perseguido, servindo de base para a administração mediar e eficiência da produção e conhecer as variações de custo.

Esse custo ideal seria aquele que deveria ser obtido pela indústria nas condições de plena eficiência e máximo rendimento.

O Princípio do Registro pelo Valor Original determina a avaliação dos componentes do patrimônio pelos valores originais das transações com o mundo exterior a valor presente em moeda nacional, sendo mantidos na avaliação das variações patrimoniais posteriores, o que descarta a utilização do custo-padrão para fins de avaliação dos estoques e dos custos dos produtos vendidos, posto que este pode divergir da transação efetiva.

Bases: Regulamento do Imposto de Renda e Lei das S/A.

Veja também, no Guia Tributário Online:

Apure os custos mediante utilização da contabilidade! Exemplos de contabilizações e cálculos (rateios e mapas de alocações). Abrange custos industriais e de serviços. Clique aqui para mais informações. Manual de Contabilidade de Custos 

Mais informações

Apure os custos contabilmente

ComprarClique para baixar uma amostra!